segunda-feira, abril 23, 2007

de volta a terra de antonio variações

sempre soube que o dia que saísse da tuga, entre as muitas coisas que iria sentir suadades a meia de leite clara e o croassant com fiambre prensado estaria na linha da frente da lista.

a viagem foi sem turbulência, mas ma cheguei a corrida começou da portela a gare do oriente e de lá rumo a invicta cidade do porto. na pequena paragem que o comboio fez por aveiro, deu para notar que a nova estação esta completamente pronta e o velho edifício preparado para passar a museu, e pensei mais uma vez nas paredes velhas da minha luanda que todos os dias são reduzidas a pó, mas como se pode ver o passado e o futuro podem e devem andar de mãos dadas. nos próximos dias e com mais calma, tenho de ir passar algum tempo a cidade dos ovos moles e comer o melhor hambúrguer do mundo que é feito ali no ramona.

já em porto campanha, troquei o comboio pelo metro e a 1h e tal da tarde estava no meu destino. matosinhos. como o compromisso que me levou ao norte só iniciava as 15h, tive tempo para saborear um leitãozinho e andar um pouco na calçada “comum” (carros, metro e peões) que muito me agradou. o tempo estava bom, e a praia cheia de gente apanhando sol.
a hora combinada, estava a entrar para a biblioteca florbela espanca, onde fui assistir ao lançamento do livro as sete estradinhas de catete do meu amigo paulo bandeira, seguido de uma mesa redonda com o tema literatura em viagem. os artistas eram fernando venâncio (moderador, aproveito os parênteses para dizer que o homem canta poesia!), o paulo bandeira, o sérgio godinho, o senel paz (o cubando que escreveu o lobo, o bosque e o homem novo, leiam), a fátima pombo e o ondjaki que escuso de apresentar e que cada vez que abria a boca arrancava da plateia agradáveis sorrisos por causa das suas “estorias” sobre factos que só acontecem na nossa luanda. infelizmente, não pude ficar para presenciar o lançamento do seu no livro os da minha rua, que foi logo a seguir porque tive de regressar a lisboa.
uma tarde bem passada nas primeiras horas na tuga, mas agora o corpo só pede uma coisa. cama.

6 comentários:

Anónimo disse...

Olá amigo,

Hoje, 23 de Abril, dia mundial do livro - se me permites - aqui vai uma sugestão:

« AGUARELAS DE LUANDA E D'OUTROS LUGARES DE ANGOLA »(*), da autoria de Sofia Pinto da França, editado em 1992.

abraços
carlos

(*) Nesse livro de aguarelas, poderás ver retratado o «palácio de ferro» pela mão da esposa de um ex-Embaixador de Portugal em Angola...

JotaCê Carranca disse...

Estou um pouco baralhado ou estás agora aqui na tugália?
Se estiveres gostava de poder entrar em contacto e se possivel conhecer.
A tua escrita me agrada e se possivel gostava de a dar a forma de pessoa que está por trás dela.
jccarranca@gmail.com
Um abraço

belinha disse...

Acredita em Bruxas? Não?!Mas uma existe,deseja ser um selo de correio e precisa do seu voto!

Clicar aqui para votar na Bruxa

Anónimo disse...

Caros amigos,

"José Afonso", figura ímpar da cultura portuguesa, que trilhou, desde sempre, um percurso de coerência na recusa permanente do caminho mais fácil, da acomodação, no combate ao fascismo salazarista e pela liberdade e democracia, é tema de um selo que está em 5º lugar. Precisamos do voto de todos para que se faça um selo em sua memória e em louvor à Liberdade.
Num período de exaltação de valores salazaristas, devemos contrapor com os nossos defensores de Abril!

“Venham mais cinco!!
Traz um amigo também!”


VOTA
[aqui]

Abril, SEMPRE!!

Davide da Costa

Daniela Mann disse...

Tens um presente à tua espera no meu blog!
Vai lá buscar que mereces.

Roseane disse...

Adorei as fotos que ficam passando aí em cima.