sexta-feira, janeiro 24, 2014

descobertas

e é assim Luanda, num dia cruzas-te com alguém que pode ser mais um entre as muitas pessoas com quem me cruzo nessa nossa cidade e num outro dia, esta mesma pessoa pode estar completamente transtornada! e é isso que também me fascina nessa cidade. 

conheci a Sara aqui, ou seja, no festival de gastronomia, e foi ela quem credenciou a imprensa, sem nunca ter reparado na sua expressão, com exceção talvez do tímido sorriso, nunca voltamos a cruzar.

do outro dia fui ver o projecto Ubumthu Sounds do Pj Mussungo, alguém que muito aprecio como já escrevi aqui, com o Jack Nkanga como convidado numa noite agradável e revoltante ao mesmo tempo. infelizmente, continuamos a desprezar brilhantes iniciativas, talvez por sermos um povo com uma mente pouco curiosa. a novidade e o diferente raramente nos atrai, infelizmente! talvez seja essa a explicação para uma noite tão agradável como aquela, o Chá de Caxinde tenha estado vazio, enfim, continuo sem perceber o que realmente se passa connosco! 

quando o Pj Mussungo chamou a Sara ao palco, sorri, observei-lhe através da objectiva da maquina e voltei a sorrir. primeiro porque fiquei logo curioso de ouvir a voz dela agora a cantar... e depois porque gostei dos detalhes da indumentária que ela trazia vestida. fotografei sem me cansar, escutei a sua voz e no final, mesmo no final, lembrei-me de como Luanda é agradavelmente pequena.

2 comentários:

Sara-Costa disse...

Muito obrigada pela sua presença no evento e a sua publicação... Espero que possamos lhe fornecer muitas mais boas surpresas no futuro. Iremo-nos encontrar novamente, com certeza... "Luanda é agradavelmente pequena" :-)

Lwsinha MC disse...

Antes de ler o texto vi as fotos e várias vezes passo para ver as novas publicações aqui e encanta-me como estás sempre em contacto com uma realidade da nossa cidade que eu desconheço. "Luanda é [realmente] agradavelmente pequena", mas ainda penso que culturalmente distante para muitos. Felizmente, por causa desse teu canto, apesar da minha distância geográfica nossa Luanda, por instantes quando por cá passo, sinto-me em casa e absorvo as lições que tens vindo a partilhar, o que agradeço e peço que sigas por haver sempre quem aprecie.