terça-feira, março 04, 2008

mudanças, deixam-me assim, perdido sem saber se a novidade trata com ela o que com tanto desespero almejo…

mudanças, nunca deveriam ser assim repentinas e sem que me dessem espaço nem tempo para escolher tudo o que não deveria acompanhar-me neste novo lugar…

mudanças, deveriam ser escuras para que não me dessem oportunidade de imaginar sequer o que será depois de consuma-las…

mudanças, pior são aquelas que me mantêm exactamente na mesma, mesmo depois de consumadas…

mudanças, deixam-me assim, perdido sem saber como será daqui para frente mas com vontade de seguir em frente.

3 comentários:

Djabal disse...

Meu caro, creio sinceramente, que é impossível viver uma vida, sem enfrentá-las. Aquelas repentinas, nos fazem pensar rápido e, decidir. Bem ou mal, decidimos e pronto, lá está o resultado.
E aquelas insidiosas que vêm aos poucos com pequenos e imperceptíveis toques, e num determinado momento: pronto?
Uma grande modificação se fez e lá vamos nós novamente ter que tomar uma decisão diante dela.
Ops, creio que ambas são uma coisa só. Uma é uma espécie de instantâneo da outra que parece mais um filme que vai se desenrolando.
Portanto recomendo: "olho vivo".Elas - as mudanças - estão sempre por aí.

Paradoxo disse...

Nada permanece estático. Até mesmo a própria maneira de mudarmos muda. Ya mas às vezes mudar incomuda :-)

abraços!!

Val Du disse...

Mudanças ocorrem o tempo todo e em todo o tempo dentro e fora da gente.
E geralmente elas ocorrem para melhorar a nossa vida.
Mesmo quando pensas que nada mudou ou mudará; certamente já está ocorrendo muitas mudanças.
Os olhos podem não ver, mas o coração certamente sentirá.

Um grande beijo.