quarta-feira, janeiro 28, 2009

António Lobo Antunes, o cronista

O meu avô dizia-me muitas vezes que um homem sem amigos não é nada. Pode ter tudo na vida, garantia ele, dinheiro, casas, mulher, filhos, saúde (e continuava a lista) mas se não tiver amigos é um infeliz, um pobre de pedir. Eu olhava o meu avô sem acreditar porque as pessoas crescidas são tão ignorantes e com tanta falta de sentido das coisas essenciais: nunca conheci nenhuma, por exemplo, que juntasse, como eu fazia, pirilampos numa caixa de fósforos para o caso de não haver electricidade. E punha bocadinhos de ervas dentro para os bichos comerem, porque não há quem não saiba que os pirilampos adoram pastar. Portanto as sentenças do meu avô passaram-me ao lado e essa acerca dos amigos entre elas. Mesmo que não tivesse mais ninguém tinha Flash Gordon, Mandrake, Tintim, Batman, que me pareciam muito melhores que os sujeitos que com ele privavam, alguns de risca do cabelo na orelha, alguns de bigode, alguns de boquilha e quase todos com a mesma pergunta
- Que idade tens tu já?
(...)

4 comentários:

Nélio O. disse...

Sabes das coisas boas.

Nélio O. disse...

Sabes das coisas boas.

paradoXos disse...

que surpresa amigo!!
curiosamente, se tudo correr bem - Deus queira que sim! - dentro de alguns dias iniciarei um trabalho juntamente com a sua filha. também de uma simpatia exemplar!
abraço forte, amigo!

paradoXos disse...

ah, bela viagem... grandes fotos - inesquecíveis momentos, no Brasil!!

parabéns!!!